Novidade Blog Crianca Celiaca

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Ideias de lanchinho para a escola

Sempre que puder eu vou colocar foto da lancheira da minha filha para vocês terem ideia do que colocar na lancheira dos vossos filhos.
Eu costumo mandar sempre um pão ou uma esfiha.
Para acompanhar coloco bolacha, ou então um bolinho tipo Ana Maria. Eu evito de mandar bolinhos porque ela começou a engordar muito e a pediatra pediu para não dar bolo durante a semana. Mas de vez em quando pode! :)
Se este não é o caso do seu filho, coloque rocambole, bolinhos, cupcakes, etc.
Sempre mando também cenoura crua (ela adora), maçã, melão cortado em pedacinhos, banana, etc.
Ela não gosta muito de sucos, então eu mando água, pois segundo a minha filha é o que a maioria dos amiguinhos levam.


Pastelzinho de Ravioli Santo Dom

Quer ser criativo (a)? Tenha um filho.
Você é capaz de criar um mundo para vê-lo feliz!
Eu ainda não me aventurei a fazer massa de pastel em casa. Então, na intenção de vê-la comer pastéizinhos iguais aos que compramos por aí, tive a ideia de pegar os raviólis da Santo Dom que eu tinha em meu freezer e fritá-los.
Para a minha surpresa, veja abaixo como ficaram!
O sabor?
Preciso dizer mais alguma coisa?



Bolo de Aniversário

Criei este tópico não para colocar a receita, mas sim para vocês verem que mesmo em casa podemos fazer bolos encantadores para os nosso filhos celíacos.
Eu não sou boleira nem muito menos confeiteira, mas em 2010 quando a minha filha fez 3 anos eu disse para mim mesma que nunca mais iria me limitar a fazer um simples bolo quadrado e sem graça para o seu aniversário.
Um ano depois, em seu quarto aniversário eu fiz um bolo da Barbie para ela.
Curso? Não fiz. Aprendi olhando os vídeos no Yutoube.
Faça você também!


Bolo Caseiro

Sabe aquele bolo de baunilha de caixinha?
Então, este bolo fica igual! Mesma textura, mesmo sabor e quem aprovou foi a pessoa mais exigente aqui de casa: o maridão.
Eu apenas peguei uma receita que estava no meu caderno de receitas desde quando me casei (há 14 anos) e resolvi substituir a farinha de trigo pela farinha sem glúten da Aminna. E não é que deu certo?

Confiram a receita!

Ingredientes:

1 1/2 xícara de leite (pode ser de soja ou sem lactose)
2 ovos
1 xícara de óleo
2 xícaras de açúcar
2 xícaras de farinha sem glúten Aminna
1 colher de sopa de fermento em pó

Preparo:
Coloque os ingredientes líquidos no liquidificador e bata bem. Se o seu liquidificador for potente, adicione aos poucos a farinha e açúcar. Caso o contrário, coloque os ingredientes secos numa tigela, adicione a parte já liquidificada e mexa bem. Por último coloque o fermento.
Leve ao forno numa forma untada para assar.
Ficou delicioso!!!


Pão de Banana na MFP

Esta é mais uma receita criada pela minha "musa dos pães", Gilda Moreira.
Embora a receita leve uma banana eu posso assegurar que a massa não fica com gosto acentuado da fruta.
Para quem não tem a panificadora em casa pode-se fazer a receita e levar ao forno convencional que também dá super certo.

Receita

Ingredientes:


1 1/2 xícara de farinha de arroz
1 xícara de polvilho doce
1/2 xícara de amido de milho
1/2 xícara de farinha de milho ou fubá
1 colher (chá) de sal
1 colher de sobremesa de goma xantana ou CMC (espessantes que ajudam na liga das massas sem glúten)
2 ovos (retiro a pele das gemas para não deixar sabor de ovo)
3 colheres de sopa de azeite
1 CS de vinagre de maçã
1 1/2 xícara de água morna (quentinha mas não fervendo)
1 colher de sopa cheia de açúcar demerara (pode usar outro açúcar)
1 sachê (10g) de fermento biológico seco
1 banana amassada  

Modo de fazer:
Comece preparando a levedura do fermento.
Em um recipiente, misture o fermento, o açúcar e água morna.
Cobra para abafar e deixe descansando até dobrar de volume e formar uma espuma por cima.

Enquanto o fermento cresce, junte todos os ingredientes secos numa tigela.
No mesmo copo de medidas junte os ovos, o azeite e o vinagre. Misture com uma colher e junte com os ingredientes secos, adicione a banana amassada e por último inclua a esponja do fermento. Misture tudo mexendo com uma colher.

  Coloquea massa para o recipiente (forma) da máquina. Coloque no lugar e depois de fechar a tampa,  ligue no ciclo ultra-rápido - 1h15m - Cor média

Bom apetite!
http://cozinhando-sem-gluten.blogspot.com.br/search/label/P%C3%A3es%20-%20MFP%20%28m%C3%A1quina%20de%20fazer%20p%C3%A3o%29




 

sábado, 24 de maio de 2014

Alimentos sem glúten: os bons e os maus


Sabe aquela frase: "Tudo posso, mas nem tudo me convém."?
Então, não é só abster-se ao glúten e sim cuidar da nutrição.
Exemplo: uma pessoa tem intolerância a lactose e não pode consumir o leite de vaca nem os seus derivados. Esta pessoa pode substituir o leite de vaca por leite de soja, bebida de arroz, de amêndoas, etc. Ela não estará deixando de consumir o seu leite todos os dias, porém terá uma carência de cálcio e terá que suprí-lo de alguma forma.

Outro ponto é que como não podemos ingerir o glúten, para que possamos ter uma boa textura em pães, bolos e demais massas, nós temos que usar muito ovo e gordura (óleo, margarina, etc.). Desta forma, se consumirmos muito esses alimentos, podemos ficar com o colesterol e triglicérides altos, esteatose (gordura no fígado), aumento de peso, dentre outros problemas.
Portanto é muito importante saber que até  podemos comer uma coisa ou outra, mas que devemos tentar seguir uma dieta o mais saudável o possível em nosso dia a dia.
Por este motivo a FENACELBRA preparou o artigo abaixo.
Você poderá encontrá-los no link: http://www.fenacelbra.com.br/fenacelbra/alimentos-proibidos-e-permitidos/

Para que a sua leitura se torne mais fácil, segue abaixo o texto em sua íntegra:

ALIMENTOS PROIBIDOS E PERMITIDOS

GRUPO DE ALIMENTO

PROIBIDO

CONTÉM GLÚTEN

PERMITIDOS

ISENTOS DE GLÚTEN

PERMITIDOS COM MODERAÇÃO

ISENTOS DE GLÚTEN, PORÉM CONTÉM MUITO AÇÚCAR, SÓDIO, ÁLCOOL, GORDURAS E/OU ADITIVOS QUÍMICOS

Grãos e Farinhas

Trigo, centeio, cevada, aveia e malte, farinha, farelo e gérmen de trigo, farelo de aveia, farinha de rosca, trigo de kibe. Arroz (e farinha de arroz e creme de arroz), milho (e maisena), quinua, amaranto, feijão, ervilha grão de bico, lentilha, trigo sarraceno. Arroz doce, canjica, massas a base de farinha de arroz ou de milho

Tubérculos e suas farinhas

Farofa industrializada. Batata, batata doce, aipim (mandioca), inhame, cará, polvilho (doce e azedo), goma de tapioca, fécula de batata, sagu, araruta Batata e aipim fritos (em casa), batata tipo Ruffles, farofa

Pães, Biscoitos e Massas

Pão francês, pão integral, pão de forma, pão doce, tortas, empadão, salgadinhos, croissant, pizza, macarrão e massas a base de trigo, sêmola ou semolina, kibe. Pães sem glúten, biscoito de polvilho, biscoitos de soja, de arroz, de milho, massas isentas de glúten, tapioca. Pão de queijo, lasanha, pizza e massas em geral isentas de glúten, porém contendo queijo e molhos gordurosos

Bebidas

Cerveja, whisky. Água, água de coco, suco de fruta, café (na rua, preferir café expresso) Vinho, saquê, cachaça, vodka, cerveja sem glúten, Prosecco, Champagne, refrescos industrializados, refrigerante, guaraná natural/xarope de guaraná, xarope de groselha

Leite e derivados

Achocolatados contendo malte, Ovomaltine, mingau de aveia, iogurtes contendo aveia. Iogurtes, leite baixa lactose, queijos, leites vegetais (coco, castanhas, gergelim, arroz, soja) Leite de soja com frutas, leite com achocolatados, leite condensado, creme de leite

Condimentos

Molho shoyo contendo trigo (a maioria das marcas). Alho, cebola, tomate, pimentão, pimenta em grão, alecrim, salsa, cebolinha, tomilho, orégano, manjericão, sálvia. Temperos prontos isentos de glúten, molho Shoyo (Sakura), catchup, mostarda, maionese, molhos de salada.

Proteínas

Bife de glúten, proteína vegetal, nuggets, bife à milanesa, empanados. Carnes (boi, peixe, frango, porco, rão, cabrito, cordeiro, etc), ovo Presunto, blanquet de peru, salame, salaminho, mortadela, salsicha.

Doces

Bolos, tortas, docinhos de festa, chocolate contendo malte, pavê, torta alemã. Chocolate amargo, geléia de frutas sem adição de açúcar, alfarroba. Gelatina, geléia de mocotó, balas, chocolate ao leite, chocolate branco, sorvetes.

Frutas


Todas – abacaxi, abacate, amora, açaí, coco, água de coco, banana, caqui, carambola, cereja, framboesa, laranja, limão, tangerina, morango, uva, pêra, maçã, manga, melão, mamão, melancia, etc Compota de frutas, geléia diet, sorvete de frutas

Hortaliças (legumes e verduras)

Tempurá, legumes empanados, tortas e empadões de hortaliças. Todas – Cenoura, chuchu, beterraba, abóbora, vagem, couve-flor, couve, espinafre, bertalha, agrião, aipo (salsão), alho poró, etc

Sementes e Oleaginosas

Amendoim japonês. Todas – castanhas, amendoim, nozes, amêndoas, avelã, macadâmia, pistache, amêndoas de cacau, gergelim, linhaça, chia, semente de girassol, semente de abóbora Confeitos de amêndoas, etc

Gorduras

Óleo re-utilizado de frituras anteriores. Azeite de oliva Óleo de abacate, de coco, manteiga, margarina, creme vegetal, óleos de grãos (soja, milho, girassol, arroz), óleo de canola, banha de porco.









Créditos:
Material elaborado pela Dra. Juliana Crucinsky
Nutricionista – CRN: 2001100190

Bolo de Maçã com Canela com Farinha Aminna

Eu criei esta receita a partir de uma receitra de bolinho de chuva que fiz à olho.

Ingredientes:

2 ovos
2 xicaras de açúcar
1 xícara de leite (pode ser zero lactose)
1 xícara de farinha preparada Aminna
1 colher de sobremesa de fermento
1 maçã descascada e cortada em fatias finas
canela e açúcar para polvilhar

Numa tigela bata os ovos com um fuê ou um garfo. Acrescente o açúcar e bata mais um pouco.
Coloque o leite e depois a farinha sem glúten Aminna e bata até a massa ficar homogênea. Por último coloque o fermento.
Coloque a massa numa forma de bolo inglês. Por cima vá colocando as fatias de maçã uma ao lado da outra. Por último, faça uma mistura com um pouco de açúcar e canela e polvilhe sobre as maçãs.
Leve ao forno quente e asse a 220graus por cerca de 20 a 30 minutos.
Faça o teste do palito.

A massa fica incrivelmente macia e se forma uma crosta por cima.

Dica de Erivane: caso você queira a massa com um gosto mais acentuado de canela, misture um pouco da canela em pó à massa.





Bolinho de Chuva com Farinha Aminna

Neste tempo frio e de chuva costuma bater uma vontade de comer bolinho de chuva no café da tarde, não é mesmo?
Pois bem, já acostumada a fazer bolinho de chuva misturando farinha de arroz, amido de milho e polvilho, desta vez eu resolvi inovar. Fiz com a farinha preparada da Aminna.
O resultado? Igualzinho aos bolinhos de chuva feito com farinha de trigo.
Gosto e textura maravilhosos!

Segue abaixo a receita:

2 ovos
2 xícaras de açúcar
1 xícara de leite (pode ser leite zero lactose)
1 1/2 xicaras de farinha sem glúten marca Aminna (vá acrescento a farinha aos poucos. Pode ser que seja necessário um pouco menos ou um pouco mais, pois cada uns gostam da massa um pouco mais mole e outros, um pouco mais firme).
1 colher de sopa de fermento em pó

Para fritar: óleo

Preparo:
Em primeiro lugar coloque o óleo para aquecer numa quantidade que cubra os bolinhos de chuva quando for fritá-los..


Enquanto isso, com um fuê bata os ovos. Acrescente o açúcar e bata mais um pouco, depois o leite e por último a farinha. Vá acrescento a farinha aos poucos e batendo até a massa atingir uma consistência firme.
Por último, acrescente o fermento e misture.
Com a ajuda da colher faça bolinhas e jogue dentro do óleo quente.
Após fritos, se quiser passe numa mistura de açúcar e canela.
Bom apetite!



quinta-feira, 15 de maio de 2014

Nuggets

Você sabia que o nuggets industrializado, além de conter glúten também contém muita gordura? A pele da galinha é triturada junto a outros ingredientes e ao final é colocado o glutamato monossódico para dar sabor.
Para pessoas como eu que tem o colesterol alto isto é um veneno!
Por este motivo o nuggets feito em casa não é tão macio como o que compramos em supermercados, mas posso garantir que é muito, mas muito mais saudável!
Segue abaixo a receita desta delícia que as crianças adoram:

1 peito de frango
temperos à gosto
Para empanar:
1 ovo
farinha de rosca Aminna (sem glúten) ou farinha de arroz ou fubá.

Modo de fazer:
Triture tudo num processador. Ele vai virar uma pasta.

Coloque numa assadeira e com as mãos vá espalhando. Ele deve ficar numa altura de mais ou menos 2 a 3cm. Coloque no freezer.
Com o auxílio de um cortador de biscoitos, vá cortando no formato que quiser: quadrado, redondo, coração, patinho, ou espere descongelar um pouco e molde em formato de palitinho, bolinha ou como desejar.
Empane passando no ovo e na farinha e congele.

Você pode fritar em óleo quente ou assar, que é mais saudável.
Sirva com catchup ou molho rosê.
Bom apetite!










quarta-feira, 7 de maio de 2014

Pão de Hambúrguer




Esta receita é maravilhosa e eu a faço há anos!
Foi criada pela minha amiga Sandra Pereira e eu não me canso de compartilhar.

Vejam a receita:



2 ovos
½ xícara de leite (pode ser água, leite de soja ou zero lactose)
½ xícara de óleo
1 xicara de farinha de arroz
1 xicara de polvilho azedo
½ xícara de polvilho doce
1 colher de chá rasa de sal
2 colheres de chá de vinagre de maçã
1 colher de sopa rasa de açúcar
1 colher de sopa de fermento para pão (biológico seco)
1 colher de chá de fermento Royal ou Oetker

Bater todos os ingredientes na batedeira e por último o fermento. Aquecer o forno por 10 minutos.
Untar várias formas redondas com margarina e farinha de arroz. Colocar a  massa e polvilhar semente de gergelim por cima.
Colocar os pães no forno na temperatura mais alta por 10 minutos. Após esse tempo diminuir a temperatura.

Congelamento: ao esfriar, congelar embrulhado em papel toalha e depois no papel alumínio.
Valida de até 4 meses no freezer.

Esfiha


Traduzida pela nossa amiga Rita Bello, esta massa é muito versátil. Isto porque podemos moldar a massa, o que não podemos fazer com a maioria das massa sem glúten por serem líquidas.
Anote a receita e veja abaixo o passo a passo:
Num recipiente misture:
1 e ½ xícara (chá) de polvilho doce
1 e ½ xícara (chá) leite em pó
1 xícara (chá) de farinha de arroz
1 colher de sopa rasa de açúcar
1 sache de fermento biológico para pão
Deixe descansando.

Enquanto isso leve ao fogo:

300ml de água
6 colheres de sopa (bem cheias)  de polvilho doce
Vá mexendo sempre até formar uma goma transparente,  desligue o fogo e reserve.

Faça um buraco no meio daquela mistura que estava descansando e coloque:

1 colher de sopa de sal
2 ovos
3 colheres de sopa de óleo
1 colher de sopa de margarina

Misture bem, coloque a goma reservada, ainda quente e vá amassando com as mãos,é preciso colocar mais ou menos 1xícara de farinha de arroz até obter uma massa lisa ,(parecida com a de trigo) macia e sem grudar nas mãos.


Você pode fazer esfihas abertas ou fechadas, com o recheio que preferir,.




Pão de Milho


Este pão é uma delícia e a minha filha adora!
Mais uma receita criada pela Gilda Moreira.

Ingredientes:

1 xíc. farinha de milho (fubá)
1 xíc. de fécula de batata,
2 colheres de sopa de polvilho doce,
2 colheres de sopa de açúcar,
1 colher de chá de sal,
1 colher de sobremesa de fermento biológico seco para pão,
2 ovos,
1/2 xíc. de óleo,
1/2 xíc. de água morna.

Misture todos os ingredientes. Unte uma forma de pão pequena, coloque a
massa e deixe crescer em um lugar quentinho. Após o crescimento, leve ao
forno pré 180ºC até dourar. Faça o teste do palito.





terça-feira, 6 de maio de 2014

A Casa de Doces







Era uma vez dois irmãos de nome Pedrinho e Gigi que moravam perto da floresta.

Gigi era diabética e não podia ficar comendo doces. Além disso, ela sempre andava com o seu kit salva vidas, que era o aparelho de medir a glicemia, uma fruta e uma bala e a insulina, em sua bolsinha. Assim, se a glicemia que é o açúcar no sangue estive alta ela aplicaria uma dose de insulina e se estivesse muito baixa ela comeria uma fruta ou chuparia uma balinha.

Certo dia sua mãe lhe pediu que fosse pegar galhos secos para ascender à lareira, mas pediu que não fossem muito longe.

E lá se foram Pedrinho e Gigi correndo, encantados pelas flores e árvores que havia pelo caminho. E para não se perderem, o garoto teve uma ideia genial: foi jogando pedaços de biscoito pelo caminho, pois assim seguiriam o caminho das migalhas na volta e não se perderiam.

Já no meio da floresta os dois começaram a brincar de pega a pega, de esconde-esconde e o tempo passou. Quando perceberam já estava escurecendo.

Ao resolver voltar para a casa, perceberam que as migalhas de biscoito já não estavam mais onde eles haviam colocado. Os passarinhos que moravam por ali comeram tudo e desta forma Pedrinho e Gigi não sabiam mais o caminho de volta para a casa.

Cansados e com fome, eles precisavam encontrar um lugar para passar a noite.

Pedrinho então subiu num galho de árvore bem alto e avistou uma luz acesa.

- Deve ser uma casa. Vamos lá, Gigi! – disse ele.

E correndo, os dois foram em direção aquela casa.

Ao chegar ali eles chamaram bem alto:

- Olá! Tem alguém em casa?

E lá de dentro saiu uma velhinha graciosa.

- Entrem meus meninos. – disse ela, com um sorriso amigável.







Quando Pedrinho e Gigi entraram tiveram uma surpresa: a mesa estava cheia de doces. Bolos, tortas, chocolates, biscoitos, sorvetes, enfim, variados tipos de doces estavam sob a mesa da cozinha.

- A senhora vende doces? – perguntou Pedrinho.

- Sim, estão sentindo o cheiro de caramelo? São balinhas que estão no fogo. E podem comer tudo o que vocês quiserem.

- Ela não pode porque tem diabete! - exclamou Pedrinho.

- Ah, é? Então comam esta comida – disse a velhinha, colocando um belo frango assado com arroz, feijão e salada em cima da mesa.

Eles comeram tudo e cansados, adormeceram.

Quando acordaram, perceberam que a velhinha os havia acorrentado ao pé da mesa. Com jeitinho, Pedrinho conseguiu abrir o cadeado e fugir, mas Gigi ficou presa ao pé daquela mesa cheia de doces.

Então aquela velhinha que parecia ser boa, disse:

- Preciso que você experimente todos estes doces e se estiverem bons eu sairei para vendê-los.

- Mas, por que a senhora mesma não experimenta? – perguntou Gigi, assustada.

- Porque sempre que como muito doce eu passo mal, então não posso mais ficar experimentando esse montão de doces que faço todos os dias. Eu preciso de alguém para trabalhar para mim e experimentar tudo o que eu faço.

Gigi era destemida e sabia que mais cedo ou mais tarde alguém apareceria para salvá-la, mas o problema eram os doces. Como resistir a tanta coisa gostosa? Mas ela se lembrou que sua mãe sempre dizia que ela deveria resistir a tentação.





Os dias se passaram e Gigi só comia o almoço e jantar que a velhinha lhe trazia. Nos intervalos, ela olhava como estava a sua glicemia e comia as frutas que tinha levado consigo. Em nenhum momento ela passou mal porque soube se cuidar conforme a sua mãe lhe ensinou.

Todos os dias, quando a velhinha fazia um novo doce, Gigi fingia experimentar e dizia que estava maravilhoso e ela poderia vender.

Passado algum tempo, alguém bateu à porta. A velha má foi atender e para sua surpresa quem era? O irmão de Gigi e seus pais.

Quando conseguiu fugir, Pedrinho se embrenhou pela floresta e encontrou o caminho de casa. Aflito, contou aos seus pais o que havia acontecido e todos saíram em busca da menina.

Ao ouvir a voz de seus pais, Gigi gritou:

- Estou aqui! Estou aqui na cozinha!

Eles entraram, tiraram as correntes que prendiam Gigi e a libertaram.

- Você está bem, filhinha? –perguntou a sua mãe, preocupada.

- Sim, mamãe. Eu estava com o meu kit salva vidas e todos os dias apliquei a insulina como a senhora me ensinou. E não comi nenhum doce, somente frutas e comida.

Quando a velhinha ouviu toda a conversa ela disse: - Será que eu sou diabética também?

Então os seus pais a levaram para fazer exame e descobriram porque a velha sempre passava mal quando comia muito doce: o açúcar em seu sangue subia muito e desta forma descobriram que ela era diabética.

A velha pediu mil perdões e disse que nunca mais em sua vida iria prender nenhuma criança ao pé da mesa e que seria uma pessoa boa para todos.






O tempo passou e certo dia, passeando junto à sua família pela cidade, Pedrinho e Gigi viram aquela velhinha vendendo doces e foram cumprimentá-la.

Ela gentilmente ofereceu-lhes um pedaço de bolo e, antes que alguém pudesse dizer alguma coisa ela acrescentou:

- Pode comer Gigi, porque o bolo é diet. Depois que eu descobri que tenho diabetes, me especializei em doces sem açúcar e agora só faço delícias diets.

Feliz, Gigi mediu a sua glicemia e viu que poderia sim comer um pedacinho de bolo diet. E todos passearam felizes pela cidade.

Autoria: Erivane de Alencar Moreno